Vale do Ave e Terras de Basto
Abertura
Mapa do Concelho
Mapa da Cidade
Património
Museus
Contatos
Abação (São Tomé)
Airão São João
Airão Santa Maria
Aldão
Arosa
Atães
Azurém
Balazar
Barco
Briteiros Salvador
Briteiros Santa Leocádia
Briteiros Santo Estêvão
Brito
Caldelas (Caldas das Taipas)
Calvos
Candoso São Martinho
Candoso Santiago
Castelões
Conde
Corvite
Costa
Creixomil
Donim
Fermentões
Figueiredo
Gandarela
Gémeos
Gominhães
Gonça
Gondar
Gondomar
Guardizela
Infantas
Leitões
Longos
Lordelo
Mascotelos
Mesão Frio
Moreira de Cónegos
Nespereira
Oleiros
Pencelo
Pinheiro
Polvoreira
Ponte
Prazins Santa Eufémia
Prazins Santo Tirso
Rendufe
Ronfe
Sande São Clemente
Sande São Lourenço
Sande São Martinho
Sande Vila Nova
São Faustino
São Paio
São Sebastião
São Torcato
Selho São Cristóvão
Selho São Jorge (Pevidém)
Selho S. Lourenço
Serzedelo
Serzedo
Silvares
Souto São Salvador
Souto Santa Maria
Tabuadelo
Urgezes
Vermil
Início Região Concelhos Património Lazer Tradição Onde Comer Onde Dormir

OLIVEIRA DO CASTELO
 
Memória Descritiva dos Símbolos Heráldicos
Castelo – Representa o Castelo de Guimarães, Monumento Nacional do séc. X. Ao centro tem a Torre de Menagem mandada erguer pela Condessa Mumadona, cerca do ano 962. É bem possível que tenha sido o local onde nasceu D. Afonso Henriques.
Oliveira – Simboliza a oliveira existente no Largo da Oliveira. Existia, em tempos distantes, uma oliveira que se dizia trazida do jardim das oliveiras, em Jerusalém, por um mercador da Terra Santa. Essa oliveira secou. Mas quando o mercador mandou vir da Normandia o Cruzeiro, que desde o século XIV se ergue junto ao padrão, a oliveira verdejou três dias depois de colocado e nunca mais secou.
 
Caracterização 
Das freguesias citadinas esta é a maior em dimensão, dominada pelo Centro Histórico. Nos últimos anos, tem sido alvo de valorização urbanística e patrimonial integrada, que lhe valeu o título de Património Cultural da Humanidade (2001). Enquanto centro dinâmico da cidade, simultaneamente é a freguesia onde se encontram os mais emblemáticos monumentos vimaranenses. Delimitada por Azurém (a norte), Costa (a nascente e sul), São Paio (a poente) e São Sebastião (a sul). [Autoria: António José Oliveira]
 
Síntese Histórica 
Guimarães, desenvolveu-se à volta de dois pólos geradores e aglutinadores, o castelo e a Colegiada, que se fundiram por ordem de D. João I, em 1389. É à sombra do castelo e do mosteiro, que nascem os dois focos de povoamento organizados como resposta às solicitações de protecção religiosa e defensiva do burgo e das populações vizinhas. Nesta vila bipolar e policêntrica, começaram-se a organizar vários eixos de circulação, através da abertura de arruamentos e construção de edifícios, que aí se foram estruturando. No século XIV, D. João I manda construir uma nova igreja, cujas obras no templo e no claustro ainda decorrem no primeiro quartel do século XV; também neste período, e por intercessão do mesmo rei se inicia a edificação da Casa da Câmara. No claustro da Colegiada constrói-se a capela de São Brás (1419-1421); no Largo da Igreja da Oliveira, edifica-se o padrão em honra de Santa Maria. Dá-se início à construção da residência senhorial do 1º Duque de Bragança. No século XVI, a Colegiada é ampliada com a construção de uma torre na sua fachada principal, aí se instalando a capela tumular dos Pinheiros. a Colegiada transformara-se na Idade Média, num grande centro religioso, aonde afluíam imensos romeiros e peregrinos. em 1549, é lançada a primeira pedra para a construção do convento de Santa Clara (actual edifício da autarquia). A sua construção e a abertura do novo largo, junto à rua de Santa Maria, levou à demolição de casas, pardieiros e quintais. a Colegiada desde a Idade Média, inseria-se no centro vital de Guimarães. A igreja e a praça contígua, denominada de Santa Maria, polarizavam os interesses da população urbana. Essa praça era um espaço privilegiado da sociabilidade onde conviviam, lado a lado, o sagrado e o profano. A praça de Santa Maria era palco de cerimónias religiosas, local onde se efectuavam transações comerciais e se apregoavam as obras camarárias e que, ao mesmo tempo, se apresentava como um centro de decisão política. Nos finais do século XVII, funda-se o Convento do Carmo, com magnífica talha, que ainda hoje podemos admirar, da oficina bracarense de José Alvares de Araújo (1746). Digno de registo de arquitectura civil brasonada são por exemplo, entre outros, a Casa do Arco, a Casa dos Coutos, Casa dos Carvalho e a Casa dos Lobos Machado. [Autoria: António José Oliveira]
 
Padroeiro/Festividades
N. Sr.ª Oliveira (Padroeira – 14 Ago.), Sto. António (13 Jun.), Procissão Corpus Christi (Corpo de Deus), Nossa Sra. da Guia (1º domingo Set.), Sr. dos Desamparados (2º domingo Set.) e S. Dâmaso (11 Dez.).
 
Património Cultural Imóvel
Castelo Medieval, Antigos Paços do Concelho, Igreja da Colegiada N.ª Sr.ª da Oliveira, Padrão do Salado, Capela de S. Miguel do Castelo, Paço dos Duques de Bragança, Muralha (resquícios) e Cruzeiro de N.ª Sr.ª da Guia (Monumentos Nacionais); Capela de Santa Cruz, Casa dos Lobos Machado (Imóveis de Interesse Público); Casa das Rótulas (Imóvel de Interesse Municipal); Capelas: St.º António e Nossa Sr.ª da Guia, Oráculo do Sr. dos Desamparados, Tribunal, Posto Turismo, Convento de Santa Clara (Edifício da Câmara Municipal), Igrejas: S. Dâmaso e do Carmo, Chafariz do Carmo, Oratório de N.ª Sr.ª de Fátima, Casa dos Laranjais, Ruas: St.ª Maria, Egas Moniz, Arcela e Rainha D. Maria II, Pç. de S. Tiago, Lg. da Oliveira, diversos monumentos evocativos: Mumadona, D. Afonso Henriques, Martins Sarmento, Alberto Sampaio, João Franco e Gil Vicente e Casas Brasonadas.
 
Locais de Interesse Turístico
Património Cultural Imóvel (ver item anterior) e Centro Histórico (Património Cultural da Humanidade - UNESCO)
 
Eventos
Dia da Elevação a Cidade e da Freguesia (22 de Junho), Dia da Batalha de São Mamede (24 de Junho) e Nicolinas (Novembro/Dezembro).
 
Artesanato
Pintura (Bento Miguel Pimenta - 253 413 739); Pintura a carvão (José Filipe Silva - 918 426 875); Artes Plásticas (Domingos da Costa Eusébio - 918 587 582); Ferro (Gaspar Carreira - 253 516 536)                 
 
Filhos Ilustres da Terra 
João Baptista Felgueiras – Magistrado, Ministro e 1º proc. geral da coroa (1787-1848); Alberto Sampaio – Historiador (1841-1908);
Rodrigo Teixeira de Menezes – Advogado (1845-1883); Mário D. Pinto de Castro – Médico (médico dos pobres) e sub-del. saúde (1894-1973); Emídio Guerreiro – Professor e político (1899-2005); Domingos Torcato Ribeiro Almeida – Fundador da “Campeão Português” (1927-2004); José de Guimarães – Artista Plástico (1939)
 
Freguesia em Números
Área (i): 69,30ha  
Abastecimento de Água - Rede Pública (ii): 100%
Saneamento Básico (ii): 100%             
Iluminação Pública (ii): 100%
Transportes (ii): TUG
Habitantes (iii): 3265 (H-1515 M-1750) Eleitores (iv): 3212 (H-1483 M-1729)
Alojamento (iii): 1685                           Famílias (iii): 1257
Faixas Etárias (iii): 0/14-450 15/24-323 25/64-1811 65 ou mais-681
Habilitações (iii): Nenhuma-406 Básico-1751 Secundário-513 Superior-595
[Fontes: i. Câmara Municipal Guimarães; ii. Junta Freguesia; iii. INE Censos 2011; iv. DGAI]
 
Serviços 
Estação Serviço, Posto Abast. Combustíveis, Farmácias, Clínicas, Consult. Médicos, Laboratório Análises Clínicas, Bancos, Multibancos e Unidades Alojamento.
 
Equipamento e Serviço Social
Sede Junta, Creches (4), Jardins Infância (3), EB1 (c/Cantina Escolar), EB2/3 (c/Cantina Escolar) e Esc. Sec. (c/Cantina Escolar), Centros Formação (3), Centro Artes e Espectáculos, Polidesportivo, Gimnodesportivo, Capelas Mortuárias, Apoio Domiciliário, Lares/Centos Dia, Centro Social e Paroquial. Museu Alberto Sampaio, Biblioteca e Arquivo Municipal Alfredo Pimenta, Posto Turismo, Câmara Municipal, Tribunal e Estabelecimento Prisional.
 
Movimento Associativo
Associação Artística Marcha Gualteriana
Telefone: 253 412 232    
Fundação: 1906    
Actividades: Culturais
A.C.I.G. - Associação Comercial e Industrial de Guimarães
Telefone: 253 420 090    
Fundação: 1865
Actividades: Apoio à actividade comercial e industrial
Associação Cultural e Recreativa do Académico de Guimarães
Telefone: 964 044 195    
Fundação: 1976    
Actividades: Culturais, recre. e desp.
Associação Familiar Vimaranense de Socorros Mútuos
Telefone: 253 412 397    
Fundação: 1908
Actividades: Assistência médica e secção funerária
CERCIGUI – Coop. de Educação e Reabilitação de Cidadãos Inadaptados
Telefone: 253 423 370    
Fundação: 1977
Actividades: Centros - educacional, actividades ocupacionais, form. e reabilitação prof., recursos sociais p/ Inclusão, apoio domiciliário e lares residenciais.
Cineclube de Guimarães
Telefone: 253 514 239    
Fundação: 1958    
Actividades: Cinema e fotografia
Convívio - Associação Cultural e Recreativa
Telefone: 253 513 013    
Fundação: 1961
Actividades: Culturais, recreativas e musicais (escola de jazz)
Corpo Nacional de Escutas – Agrupamento Nº 331 (S. Dâmaso)
Telefone: 919 486 301    
Fundação: 1969    
Actividades: Escutismo
Grupo Cultural e Recreativo “Os Trovadores do Cano”
Telefone: 253 512 319    
Fundação: 1961    
Actividades: Culturais e recreativas
Grupo Cultural e Recreativo “Os Vinte Arautos de Dom Afonso Henriques”
Telefone: 963 780 594    
Fundação: 1926    
Actividades: Culturais e recreativas
Grupo Desportivo Oliveira do Castelo
Telefone: 253 417 062     
Fundação: 1977
Actividades: Futebol, pesca desportiva, bilhar, xadrez e ginástica
Grupo Desportivo Unidos do Cano
Telefone: 253 512 319    
Fundação: 1956    
Actividades: Futebol
Muralha - Associação de Guimarães para a Defesa do Património
Fundação: 1981    
Actividades: Defesa, estudo e divulgação do património cultural e natural.
Patronato de Nossa Senhora da Oliveira
Telefone: 253 416 144    
Fundação: 1961
Actividades: Jardim de infância, ATL e edição do jornal “O Conquistador”
 
Órgãos de Informação
Boletim Informativo – Oliveira do Castelo
Propriedade/Editor: Junta de Freguesia                  
Fundação: 2010
Telefone: 253 414 667                                          
Periodicidade: Semestral
Grupo Santiago
Fundação:1884    
Telefone: 253 421 700     
Órgãos: Rádio Santiago, O Comércio de Guimarães, Desportivo de Guimarães, Guimarães Digital e Revista Bigger.
O Conquistador
Propriedade: Patronato de Nossa Sra da Oliveira        
Fundação:1950
Telefone: 253 416 144                                               
Periodicidade: Quinzenal
 
Párocos
José Carvalho (Tel.: 253416144)
Domingos Oliveira - S. Dâmaso (Tel.: 966008922)
                                                                             
Junta de Freguesia
Morada: Alam. S. Dâmaso – Ed. S. Francisco Centro, nº 65   4810-286 Guimarães
Coordenadas GPS: N 41º 26’29.62’’/ W 8º 17’30.09’’
Telefone: 253 414 667     Fax: 253 408 268
E-mail: geral@oliveiradocastelo.com     Site: www.oliveiradocastelo.com
Horário de Funcionamento: 2ª a 6ª feira 10h30-13h30/15h00-19h30
Presidente: Rui Porfírio Lopes da Silva (2º mandato)
Secretário: Carlos Manuel Lopes Ceia
Tesoureiro: Fernando José Simões Salgado
 
Destaque
Colina Sagrada
O Castelo de S. Mamede foi mandado edificar pela Condessa Mumadona, na 2ª metade do séc. X, para protecção dos religiosos do mosteiro que criou, no local onde hoje está a Colegiada. A actual fortificação é o produto, na sua quase maioria das profundas remodelações que sofreu ao longo do séc. XII, no tempo de D. Afonso Henriques, e nos séculos XIII e XIV, durante o reinado de D. Dinis. Há, ainda vestígios de uma fase um pouco mais antiga, que se poderá atribuir aos finais do séc. XI (ao governo do Conde D. Henrique). A igreja românica de S. Miguel é a antiga paroquial da vila “alta” de Guimarães. Foi sede da paróquia que lhe deu o nome. Está associada aos primórdios da fundação de Portugal, pois segundo a tradição terá sido aí que foi batizado D. Afonso Henriques. O imponente Paço dos Duques de Bragança foi erigido por D. Afonso, filho bastardo de D. João I, e por ele legitimado em 1401. D. Afonso foi desde 1442 o 1º Duque de Bragança. A data em que se deverá ter iniciado a construção do Paço dos Duques, não é uniforme para todos os autores, dividindo-se estes entre 1412, 1414 e 1420. O último habitante do Paço dos Duques foi D. Duarte (1541-1576). A partir de 1576 e com a maior protuberância do Paço de Vila Viçosa, inicia o seu processo de decadência que culminará com a sua adaptação em 1807, para quartel militar, e por fim à sua reconstrução, no séc. XX. [Autor: António J. Oliveira]
 
 
Receba
as novidades
no seu e-mail
nome:
e-mail:
Vale do Minho Vale do Lima Vale do Cávado Vale do Ave e Terras de Basto
Contactos | Mapa do site
Copyright © 2008 A Nossa Terra. Todos os Direitos Reservados Desenvolvido por: Direnor